Posições Políticas

AS NOSSAS

POSIÇÕES

POLÍTICAS

QUERES

FAZER UMA MOÇÃO?

idea.png

Enquanto estrutura representativa dos estudantes de Enfermagem a nível nacional, não podemos ficar alheios ao potencial que a análise crítica desta realidade que se avizinha pode ter no campo do desenvolvimento socioprofissional e da sensibilização dos estudantes de Enfermagem para as problemáticas da atualidade que, por sua vez, se tornarão nas vivências do seu futuro.

 

Pretendemos proporcionar condições favoráveis para uma sólida, abrangente e profunda discussão sobre o ensino em enfermagem, valorizando afincadamente os problemas e necessidades denotadas pelas AE/NE nas suas instituições de ensino superior e permanecendo, assim, fiéis aos princípios do modelo federativo.

Finalidades:

  • Fomentar uma maior equidade no Ensino de Enfermagem nos vários ciclos de estudos;

  • Promover discussão sobre as problemáticas que assolam o Ensino Superior de Enfermagem em Portugal com a comunidade estudantil e estruturas competentes e com impacto significativo no mesmo;

  • Apresentar Tomadas de Posição a Entidades Superiores responsáveis pelo Ensino de Enfermagem em Portugal;

  • Vincar a visibilidade da Federação como um espaço de discussão, enriquecimento e conhecimento a considerar no panorama de Ensino de Enfermagem a nível Nacional.

Metas:

  • Organizar uma bolsa de temáticas em conjunto com as AE/NE federadas na FNAEE;

  • Redigir moções centradas nas problemáticas do Ensino Superior de Enfermagem em Portugal;

  • Apresentar moções dirigidas ao Ensino Superior de Enfermagem às entidades responsáveis;

  • Fomentar a produção de posições políticas pelas estruturas federadas;

  • Efetivar potenciais parcerias e protocolos de valor para a definição de estratégias de resolução em matéria de política educativa.

 

Moções

Pela revisão do enquadramento legal do Ensino de Enfermagem: é hora de valorizar a democracia

(aprovada em Assembleia Geral em junho de 2020)

O subsistema de Ensino Universitário é enunciado como um ensino orientado para a investigação, visando não só assegurar uma sólida preparação científica e cultural como também proporcionar uma formação técnica que habilite para o exercício de atividades profissionais e culturais e, que fomente o desenvolvimento das capacidades de conceção, de inovação e de análise crítica 1. Para tal, esta tipologia de ensino é concretizada por universidades e demais instituições universitárias que se assumem como “instituições de alto nível, orientadas para a criação, transmissão e difusão da cultura, do saber e da ciência e tecnologia, através da articulação do estudo, do ensino, da investigação e do desenvolvimento experimental”

Cuidar Socialmente Responsável: Por uma Política Transversal nas Instituições de Ensino Superior

(aprovada em Assembleia Geral em junho de 2019)

O documento expõe o interesse da Federação em refletir sobre as dinâmicas associadas ao processo de supervisão clínica e orientação de estudantes de Enfermagem, no âmbito da sua componente de Ensino Clínico consagrada nas diretivas nacionais e europeias que regulam o nosso Ensino de Enfermagem. De forma focalizada, enfatiza a necessidade de formação pedagógica dos tutores clínicos que, no entender da FNAEE, se revela essencial não só para problematizar construtivamente o processo formativo do estudante, mas também para assegurar o seu crescimento na prossecução de um perfil profissional promotor da qualidade e segurança dos cuidados de Enfermagem.

Por uma investigação em Enfermagem inclusiva

(aprovada em Assembleia Geral em junho de 2019)

O documento reitera a posição da Federação relativamente à importância da integração de políticas de incentivo à investigação em colaboração com os estudantes do Curso de Licenciatura em Enfermagem, num momento em que a prática baseada na evidência se assume como uma meta que necessita de ser trabalhada a partir do Ensino. Esta reflexão explana a necessidade de integrar os estudantes de Enfermagem nos projetos de investigação conduzidos e produzidos pelas Instituições de Ensino Superior, fomentando a aquisição de uma atitude científica e a sua capacitação enquanto futuros Enfermeiros e agentes de mudança das práticas no contexto profissional.

Aprender a formar em contexto clínico: uma (ir)realidade?

(aprovada em Assembleia Geral em janeiro de 2019)

O documento expõe o interesse da Federação em refletir sobre as dinâmicas associadas ao processo de supervisão clínica e orientação de estudantes de Enfermagem, no âmbito da sua componente de Ensino Clínico consagrada nas diretivas nacionais e europeias que regulam o nosso Ensino de Enfermagem. De forma focalizada, enfatiza a necessidade de formação pedagógica dos tutores clínicos que, no entender da FNAEE, se revela essencial não só para problematizar construtivamente o processo formativo do estudante, mas também para assegurar o seu crescimento na prossecução de um perfil profissional promotor da qualidade e segurança dos cuidados de Enfermagem.

O estudante em Ensino Clínico: formando ou Pessoa?

(aprovada em Assembleia Geral em janeiro de 2019)

O documento reflete a preocupação da FNAEE num tema tão fulcral como o Ensino Clínico, com a devida importância que o mesmo assume no panorama da formação em Enfermagem. Apesar de se constituir como um momento obrigatório do Curso de Licenciatura em Enfermagem, a análise orientada da pluralidade de dinâmicas que lhe estão associadas, quer pedagógicas quer organizacionais, poderá afirmar-se como uma mais valia para a otimização dos processos formativos em Enfermagem e, consequentemente, para a obtenção de ganhos importantes a nível da construção da identidade profissional enquanto futuro Enfermeiro.

Enfermagem no subsistema de Ensino Superior Universitário: uma miragem?

(aprovada em Assembleia Geral em outubro de 2018)

O documento explana uma posição há muito vinculada pela FNAEE: a possibilidade de a Enfermagem se integrar, a par das outras áreas da saúde, numa tipologia de Ensino orientada primariamente para a investigação, para a ciência e para a tecnologia, e que eleve a área da Enfermagem a outro nível. Acreditamos que esta reflexão deve ocorrer de forma aprofundada e com dados que possam suportar posições concretas, motivo pelo qual sugerimos a criação de um grupo de trabalho para se debruçar sobre esta matéria.

Por um ensino baseado na evidência - a necessidade de inovação pedagógica em Enfermagem

(aprovada em Assembleia Geral em julho de 2018)

O documento reflete a preocupação dos Estudantes no que concerne às metodologias e métodos de Ensino utilizadas hoje em Portugal. Fazendo valer um dos seus pilares de ação - a defesa do Ensino -  a FNAEE quer com este documento lançar a discussão para que se comece a preparar um Ensino para o futuro.

Pela estruturação da formação Superior em Enfermagem: é hora de refletir

(aprovada em Assembleia Geral em abril de 2018)

Esta posição surge no sentido de dar a conhecer a posição dos Estudantes no que concerne à pronúncia da Ordem dos Enfermeiros pela reestruturação dos ciclos de Estudos do Ensino de Enfermagem. Para além disso, é um documento que pretende vincar a visão de futuro que a FNAEE e os seus associados consideram ser a mais valiosa para os Estudantes e a Enfermagem.

O Ensino Superior enquanto Utilidade/Valor Público

(aprovada em Assembleia Geral em janeiro de 2017)

O documento defende o caminho para a gratuitidade do Ensino Superior. Como consequência decidiu-se subscrever o Movimento Rumo à Propina Zero.

Enquadramento legal do Ensino de Enfermagem

(aprovada em Assembleia Geral em junho de 2016)

O documento dá prossecução à vontade e reflexão das estruturas associativas sob a visão do ensino de enfermagem e o enquadramento legal que limita atualmente o Ensino de Enfermagem. Consideramos que a limitação por parte do Decreto-Lei n.º 480/88 que define o ensino de Enfermagem como ensino superior politécnico é limitativa e inadequada ao desenvolvimento de Enfermagem enquanto disciplina e ciência, simultaneamente remetendo o ensino para um subsistema e não possibilitando a sua integração noutro, tendo por base a Instituição de Ensino Superior em questão, missão definida, qualificação dos docentes, investigação produzida e relações interdisciplinares necessárias para um melhor funcionamento tanto da rede de ensino como na prestação de cuidados em contextos de saúde.

 

QUERES FAZER UMA MOÇÃO?

Como estudantes de hoje e futuros profissionais de amanhã, torna-se imperativo consciencializarmo-nos de que Enfermagem exige um compromisso com a ciência, mas igualmente um compromisso com a sociedade. 

Enquanto entidades representativas dos estudantes de Enfermagem é, indiscutivelmente nossa função proporcionar voz aos mesmos, mobilizando mecanismos no sentido de desenvolver esforços para a sensibilização e, ainda para a fomentação de um Ensino de Enfermagem mais equitativo e mais próximo da resolução das adversidades sentidas pela comunidade estudantil. 

Se és Dirigente Associativo de uma AE/NE representativa de estudantes de Enfermagem, inscreve-te já no nosso fórum de discussão participativa!